Dia Mundial da Visão: Histórias de superação da deficiência visual

I

Actualidade

I

Por

Hoje celebra-se o Dia Mundial da Visão, que pretende consciencializar para a deficiência visual. Segundo a OMS cerca de 2,2 milhões de pessoas no mundo têm deficiência visual ou cegueira, sendo que pelo menos 1 milhão dos casos poderiam ter sido evitados ou ainda não foram atendidos. 

Para a maioria de nós a visão é algo tido como garantido, no entanto, muitas pessoas ao longo da história enfrentam desafios significativos relacionados à sua condição visual. 

Para celebrar este dia, vamos partilhar consigo algumas histórias inspiradoras de pessoas com deficiência visual, que superaram o seu problema e o transformaram num superpoder.  

Helen Keller, a ativista cega que superou barreiras  

Helen Keller foi provavelmente uma das pessoas cegas e surdas mais famosas da história. Nascida no Alabama, tornou-se escritora, filósofa, conferencista e ativista pelos direitos das minorias e pessoas com deficiência.  

Em criança ficou cega e surda devido a uma doença, que acreditam ter sido escarlatina ou meningite, mas desenvolveu a sua comunicação e conseguiu formar-se com distinção no Radcliffe College.  

Ao longo da vida, Helen publicou 14 livros, viajou pelo mundo a dar palestras que inspiraram pessoas cegas e surdas, foi ativista pelo direito ao voto feminino e uso de contracetivos e foi nomeada para o Prémio Nobel da Paz, pelo seu ativismo na defesa dos direitos de pessoas com deficiências. 

Quem foi Helen Keller, ativista por direitos de pessoas com deficiência -  Revista Galileu | Sociedade

John Bramblitt , o pintor que nunca viu as suas obras 

Foi aos 30 anos que John Bramblitt perdeu a visão devido a uma complicação nas suas crises de epilepsia. O incidente deixou-o num estado depressivo, levando-o a distanciar-se dos amigos e família, mas foi através dos pincéis e da tinta que descobriu uma razão para continuar a lutar.  

O norte-americano nunca tinha pintado antes, e esta foi a forma de se descobrir enquanto artista, afirmando que para si “o mundo é muito mais colorido agora do que era quando eu via”. 

Os seus quadros estão repletos de cores vivas e intensas e estão presentes em mais de 20 países. A sua técnica baseia-se no tato, utilizando uma tinta de secagem rápida, onde sente na ponta dos dedos a forma que compõe na tela e, com a ajuda de etiquetas em braile nos tubos de tinta, consegue fazer a mistura das cores.  

Um facto curioso é que John descobriu que cada cor tem uma textura diferente e, hoje, consegue sentir e ver à sua maneira cada quadro que pinta. Inspirador não concorda? 

Faces Behind the Screen: John Bramblitt

Ana Sofia Antunes, a primeira governante cega em Portugal 

Ana Sofia Antunes é um dos exemplos de superação da deficiência visual em Portugal, tendo-se tornado na primeira governante invisual do país, como Secretária de Estado da Inclusão das Pessoas com Deficiência.  

Atualmente, além desse cargo, é desde 2014 a presidente da Associação de Cegos e Amblíopes de Portugal (ACAPO) e integrou as listas de candidatos a deputados do PS por Lisboa. 

A cegueira nasceu consigo e quando era criança frequentou uma escola especializada, tendo feito depois todo o percurso escolar até à faculdade, onde enfrentou e superou todas as dificuldades que se colocaram no seu caminho.  

Todo o seu percurso fez com que percebesse que ainda há muito por fazer em relação a pessoas com deficiência visual ou outras deficiências em Portugal, sendo uma ativista e política ativa no nosso país. 

 

Saiba Mais: ana-sofia-antunes



Erik Weihenmayer, o alpinista cego que subiu o Monte Everest 

Erik Weihenmayer foi o primeiro alpinista cego a conseguir a proeza de subir o Monte Everest. Quando tinha 4 anos foi diagnosticado com retinosquise, uma doença rara que provoca a perda progressiva da visão, tendo ficado completamente cego aos 14 anos. 

Apaixonado por escalada desde tenra idade, formou-se como professor de alpinismo e juntou-se ao Clube de Montanhismo do Arizona. Em 1995 alcançou o topo do Monte Denali, o pico mais alto da América do Norte e contra todas as possibilidades escalou 3 das 7 montanhas mais altas do mundo. 

Com mais de 16 anos de escalada profissional, em 2001 o alpinista estava pronto para o maior desafio da sua carreira, o Monte Everest, que conseguiu alcançar aos 33 anos de idade, juntamente com a sua equipa. 

Blind Adventurer – Erik Weihenmayer Ep50 | Just Curious Show

Etiquetas

También te puede interesar

Viajar pode ser muito mais do que descanso e uma pausa da rotina de trabalho. É também a oportunidade única de expandir horizontes, não só a nível pessoal como profissional.   Já imaginou o quão enriquecedor seria embarcar numa viagem com colegas de profissão, neste caso no ramo da ótica? Esta experiência pode ser um verdadeiro […]

Quantas vezes já ouviu ou lhe contaram “verdades” sobre a utilização de óculos ou de lentes de contacto? Com certeza que já ouviu que as lentes de contacto podiam ir para trás dos olhos, ou até que os óculos de sol são apenas para dias de sol, e mesmo até que é muito difícil fazer […]

Uma das melhores estratégias para os óticos acompanharem a constante evolução da indústria é apostarem no seu conhecimento. Cursos, formações ou eventos são algumas das opções que podem enriquecer tanto a nível profissional como interpessoal.  Na CECOP desenvolvemos o CECOP Evolution, um programa de formação completo, de desenvolvimento empresarial, com o objetivo de ajudar a […]

Únete a CECOP

y descubre cómo rentabilizar al máximo tu negocio